domingo, 27 de dezembro de 2009

Sobre papéis e níqueis

Desapego material pode ser confundido com consumismo? Talvez não totalmente, mas em certos aspectos eu acredito que sim - e acho que não sei explicar isso direito. Vejamos: eu realmente não me importo de bater o carro; não me importo de atravessar a cidade levando as pessoas em casa; não me importo com o dinheiro. Talvez seja pq o dinheiro não é meu, mas talvez eu simplesmente não me importo. Não me importo de sujar tudo e depois ter que limpar. Eu me importo em limpar, a preguiça é grande, e por isso eu vou deixando tudo acumular em cima da pia. Vou deixando o pó acumular no carpete, deixando a sujeira debaixo da cama.
Não me importo em consumir e jogar o dinheiro pelo ar: é só dinheiro. Não me importo em pagar 67 reais por um pote de maionese. Eu deveria, eu sei, mas dói muito pouco em mim passar o cartão de crédito ou contar notas de 50 reais. Não me importaria, se tivesse, aí sim, meu dinheiro de pagar libras e libras em uma viagem pra Londres. Euros e euros pra viajar a Europa. Ou abrir uma torneira de dólares até o Hawaii. Não dói.
O que dói é não fazer as coisas. É guardar dinheiro e contar as moedas de um real espalhados pela casa. Deve ser por isso que fazer contas com o dinheiro perturbe tanto a minha cabeça - contar é uma coisa que eu simplesmente não consigo e provavelmente nem queira fazer.
Não é o fato de que não me importo com o dinheiro e o esmero com o qual ele foi conseguido e guardado. Mas é que preocupação demais com papéis e níqueis não devia ser prioridade.