sábado, 15 de agosto de 2009

Matthew McConaughey: estraga dietas.

Vim pra Taguaí, sem dinheiro e toda fodida, achando que ia me dar bem, e a moça que trabalha em casa decide que tem dores na coluna e solicita uma ambulância pra fazer a volta da doença com o pior timming na praça central e imeadiações do polo econômico do jeans no sudoeste paulista. Apesar da minha semana passada realizando trabalhos braçais - depois das 16:00 e depois da Nova Escola do Imperador, óbvio - agradeço ao tédio por aceitar esse destino injusto e me entregar ao meu temporário transtorno obcessivo compulsivo de lavar louças até criar uma segunda camada de pele áspera na mão.

Realizei no entanto, duas atividades pelas quais sempre nutri muito carinho e nenhum esforço em realmente fazer. Li o Pequeno Príncipe e assisti Como Perder Um Homem Em 10 Dias. Me emocionei com ambos e infelizmente somente do segundo tenho um comentário pertinente a fazer.

Matthew McConaughey. Além de ter toda essa malemolência proveniente de um texano com cara de australiano ainda é bombadinho e tem um sorriso de cair o cu da bunda. Eu sinceramente não sei de onde tirei toda essa devoção aos filmes dele, embora só assista por um motivo. Preparem-se os gozadinhos. Piada pronta: eu adoro ver ele comendo. Sério. Sabe quando você acabou de comer um pacote de passatempo depois da massa pesada: creme de leite e penne - veja bem: penne - tomou uns 4 litros de coca e está com nojo de toda e qualquer forma alimentícia? Experimente ver esse deus do cenoure bronze dilacerando uma casquinha de siri, perna de lagosta ou qualquer outra iguaria praiana pra ressucitar todo o apetite reprimido. Ele me seduziria devorando um prato de pedreiro com farofa Deusa, arroz queimado, coxão duro e ovo com gema mole. Foto da bundinha. Só pra vocês.


sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Ode aos porcos

O twitter está acabando com as postagens de blogs tradicionais. Ao menos pra mim aqueles 140 caracteres são divinos. Eu, que adoro falar pouco, estou viciada neles. Ou, pelo menos enquanto eu não tenho um amor carnal pra amarrar na cama, eu me sento na cama com meu computador e meu amor virtual, twitter, pra falar por mim. Não é mágico? Eu acho sensacional.

De qualquer forma, eu só estou aqui escrevendo nada e enchendo linha de pensamentos vázios porque eu não tenho mesmo o que fazer e o que falar e o que dizer - nem vontade de por vírgulas por aqui. Venho sendo má influenciada e estou gostando disso. Se bem que acabar com um dos únicos dons (ou pseudo-dons) inexplicáveis que Lord Ganesh me cedeu não é lá um grande progresso de vida.

Eu sinto que preciso arrumar um emprego e guardar muito dinheiro pra fazer coisas com, bom, aquele dinheiro. Não sei o que. Seu eu pudesse viveria comprando saias, sapatos pumps cor nude e coisas com tachas, mas a razão ainda não me permite tais coisas.

O que eu queria agora? Estar plenamente feliz ou plenamente muito triste pra chorar e escrever coisas bonitas. Esse meio termo que anda a minha vida não me deixa inspirada. Nem Nikola Sarcevic me deixa mais inspirada. Talvez eu esteja perdendo minha essência. Que coisa sem sentido morar num local onde as pessoas preferem MPB à casas noturnas (oi, tenho 80 anos) que toquem músicas alternativas. Ter oitenta anos na minha terra era ouvir MPB e sambas fundo de quintal. Louvo Lord Ganesh por inventar o alcool e deixar minha mente tão livre pra aceitar os sons brasileiros, assim como para aceitar Lady GaGa hermafrodita (BAFO!) e me adaptar aos lugares. Mas confesso que ainda prefiro os hermafroditas aos heterossexuais cariocas.

Só não aceito a Gripe dos Leitões atrapalhando minha vida. Isso não dá. Se ao menos a PUC tivesse prorrogado as férias de winter até o dia 17 desde o início, e não até o dia 10 de agosto, eu poderia ter programado minhas férias de winter forçadas de outra forma. Podia estar voltando de SP hoje e ter passado 4 dias fazendo coisas gostosas com meus amores gostosos. No fim, é tudo culpa dos porcos e dos porcos sugadores da minha profissão (los jornaless), que ficam enfiando pânico nas pessoas.

E minha mãe vindo tirar minha concentração do meu texto sem nexo, tamb ém não é lá tão aceitável. Às vezes, quando você mora sozinha por seis meses e vem passar um mês na casa dos pais, você só quer sua casa sem ninguém por pelo menos uma hora.

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Sobre o alcool e as amizades

Por isso que eu digo que pra fazer coisas como beber uma garrafa de Tequila e rolar do alto de um morro com alguém, puramente bêbada, esse alguém precisa ser de muita, muita confiança.
De muita, muita, muita confiança a ponto de você saber que ele vai estar sempre com você e que nunca vai falar que você passa da conta. De muita, muita confiança porque sabe que você faz isso só porque tem 19 anos e é feliz - e se sente mais feliz ainda bêbada de Tequila.

Não que tenha acontecido algo que me feriu muito a ponto de eu dizer isso, mas é uma coisa que a gente tem que aprender. E que, às vezes, ser você mesma, não é a melhor coisa pra prolongar uma história entre duas pessoas. Mas, antes de tudo isso, comam um boi antes de ficarem bêbadas.

De qualquer forma, sejam vocês mesmos. Mas não confiem em todo mundo pra ficar bêbado com você.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Rodrigo Faro: me cheire.


Sábado passado eu tinha feito um post sensacional admirando o trabalho inigualável do Rodrigo Faro, mas o blog reprimiu - como sempre - e apagou. Mas eu preciso enaltecer da melhor maneira possível esse apresentador notável do "Melhor do Brasil" provavelmente o único programa que me faz rir de verdade da televisão brasileira - fora o "Vale a Pena Ver de Novo" recente da Senhora do Destino - I s2 Naza .
O cara é muito feliz. Ele dança agitando os braços quando as pessoas se pegam loucamente, desfila bizarramente "mordendo o maxilar" - profissa - entrelaçando aquelas perninhas de saracura, sempre sério (óbvio), já foi ator, Gisele Bundchen, travesti e vendedor da Avon. Fica puto quando os caras tomam fora, zoa as pessoas sem nenhum escrúpulo quanto ao físico e ao ganha pão, tem um timming perfeito para relar nas pessoas fazendo barulhinhos engraçados. Recomendo sempre. Marcio Garcia: morra.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

HEBE